Igreja Paroquial da Charneca / Igreja de São Bartolomeu

IPA.00022223
Portugal, Lisboa, Lisboa, Santa Clara
 
Arquitectura religiosa, seiscentista. Igreja paroquial.
Número IPA Antigo: PT031106130344
 
Registo visualizado 1005 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta retangular composta por nave, capela-mor, torre sineira no lado direito e corpos adossados às fachadas laterais, de volumes articulados e escalonados com coberturas diferenciadas em telhados de uma e duas águas, sendo em domo na torre sineira. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, percorridas por socos cinza e rematadas em cornija. Fachada principal virada a O., rematada em empena com cruz latina no vértice e rasgada por portal de verga reta e moldura recortada, rematado por frontão triangular; está encimado por janelão em arco abatido e moldura recortada, que se prolonga inferiormente em falsos brincos. No lado direito, torre sineira com porta na face principal e quatro ventanas de volta perfeita, flanqueadas por cunhais apilastrados e rematadas em friso, cornija e amplos pináculos fusiformes nos ângulos. No lado direito, muro rasgado por portão, de acesso ao antigo cemitério paroquial.

Acessos

Largo dos Defensores da República

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 740-BL /2012, DR, 2.ª série, n.º 248 de 24 dezembro 2012 *1

Enquadramento

Urbano, isolado, a abrir para um largo parcialmente ajardinado, elevado relativamente à via pública. Fronteiro, o Cruzeiro paroquial, assente em plataforma octogonal, onde se ergue ampla base ornada por toros e escócias, coluna facetada e capitel decorado com elementos fitomórficos. No topo, cruz latina com as hastes terminadas em botões.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Lisboa)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

PINTOR: Bento Coelho da Silveira (séc. 17). PINTOR DE AZULEJOS: António de Oliveira Bernardes (séc. 18).

Cronologia

Séc. 17 - construção do imóvel, sobre uma capela dedicada ao Espírito Santo; pintura de telas por Bento Coelho da Silveira (1630-1708); feitura do retábulo-mor; séc. 18 - pintura do acervo azulejar por António de Oliveira Bernardes; 1755, 01 novembro - a igreja sofreu danos com o terramoto; 1758, 08 abril - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco Pedro de Oliveira, é referido que a igreja tem por orago São Bartolomeu, sendo de uma só nave, revestida a azulejo antigo, enxaquetado; o teto é em painéis pintados com cenas da vida do Santo, pintadas por Bento Coelho da Silveira; tem cinco altares, o mor, com o sacrário e tribuna de talha, onde se veneram as imagens do orago, a de Nossa Senhora da Assunção, de vestir e de estatura mediana, ladeada pelas de São Pedro e Nossa Senhora da Conceição; o altar colateral do Evangelho é dedicado a Nossa Senhora do Rosário, de vestir e de grandes dimensões, inserida em retábulo de talha, com o nicho protegido por vidraça, com festa nos primeiros domingos de Maio e de Outubro; o altar é privilegiado e tem Irmandade própria que o administra; o colateral da Epístola é de talha dourada, onde se acha a imagem de Nossa Senhora da Purificação, também protegida por vidraça, com festa a 2 de fevereiro, feita pela respetiva Irmandade; na nave, a Capela de Nossa Senhora da Piedade, probremente ornada, administrada por António Luís de Mesquita, que instituíu morgado, junto ao qual se encontra o jazifo do instituidor e dos seus descendentes; no altar, surgem, ainda, as imagens de Santa Luzia, de vestir, e de Santa Catarina; no lado oposto, uma capela de talha dourada moderna, onde se encontra o Crucificado com festa a 1 de janeiro e 2 de fevereiro, por zelo da Irmandade; no altar, encontram-se, ainda, as imagens de Santa Ana, São Bento e São Caetano, todas de pequena dimensão; no altar, Cristo morto, exposto na quinta-feira da Quaresma; na igreja, existem as Irmandades do Santíssimo, das Almas, a Confraria do Espírito Santo, a de São Bartolomeu; o pároco é cura apresentado pelo pároco do Lumiar, tendo de côngrua 30$000 e rendendo a pároquia 800$000; 1959 - última inumação no cemitério anexo; 2007 - opção pela construção de duas capelas mortuárias no local do antigo cemitério, pelo que os restos mortais que se encontravam no local são transferidos para o Cemitério do Lumiar; 01 março - Despacho de abertura do processo de classificação pela vice-presidente do IPPAR; 2011, 20 setembro - proposta de classificação como Monumento de Interesse Público; 20 dezembro - projeto de decisão relativo à classificação como Monumento de Interesse Público e fixação da respetiva Zona Especial de Proteção do edifício, publicado em Anúncio 18970/2011, DR, 2. série, n.º 242.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

MATOS, Alfredo, PORTUGAL, Fernando, Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais de Lisboa, Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, 1974; SERRÃO, Vítor, História da Arte em Portugal - o Barroco, Barcarena, Editorial Presença, 2003.

Documentação Gráfica

IGESPAR: IPPAR

Documentação Fotográfica

IGESPAR: IPPAR

Documentação Administrativa

IGESPAR: IPPAR

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO *1 - DOF: Igreja Paroquial de São Bartolomeu da Charneca.

Autor e Data

Helena Rodrigues 2004

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login