Jardins da Avenida Luísa Todi

IPA.00023032
Portugal, Setúbal, Setúbal, União das freguesias de Setúbal (São Julião, Nossa Senhora da Anunciada e Santa Maria da Graça)
 
Arquitectura recreativa- Jardim de concepção modernista, em que se privilegia o conforto do peão.
Número IPA Antigo: PT031512020116
 
Registo visualizado 3054 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Espaço verde  Jardim  Jardim  Modernista    

Descrição

Longa avenida arborizada de cerca de 1300 m lineares, apresentando uma placa central ajardinada envolta por uma estrada com movimento nascente - poente a N. e sentido contrário a S., interrompida também por vias tranversais . Esta placa, com uma larga zona arborizada, é destinada exclusivamente ao lazer, constituída por TRÊS TROÇOS rectilíneos, com direcções diferentes, cada um deles com cerca de um terço do comprimento do total, articulados por dois elementos circulares, situados no topo S. das duas vias principais, inscritas a N. no tecido urbano, perpendiculares á Avenida Luísa Todi. Cada troço é constituído por várias placas separadas entre si por vias de circulação automóvel. Existe um PRIMEIRO TROÇO com uma direcção SO-NE, que se inicia na Rua da Cordoaria que culmina numa rotunda arrelvada que faz a articulação com o TROÇO INTERMÉDIO de direcção O.-E., situada no topo S. da Rua José Pereira Martins. A articulação com o TERCEIRO TROÇO, que inflecte levemente para SE., é realizada no topo S. da Avenida 22 de Dezembro, onde se situa uma fonte de planta circular. O PRIMEIRO TROÇO inicia-se por uma zona com uma tipologia de passeio público já que é constituída por quatro alinhamentos de árvores de arruamento paralelos e equidistantes dois a dois, apresentando canteiros com palmeiras ao centro, isto é, entre o segundo e o terceiro alinhamento, onde a largura do passeio é superior. Segue-se uma placa densamente arborizada a que se segue, até à rotunda arrelvada uma outra placa arborizada, com estacionamento em espinha na sua zona central. No SEGUNDO TROÇO, logo após esta rotunda, segue-se uma placa com cerca do dobro do comprimento das já referidas, onde, tal como na anterior, o arvoredo ocupa uma posição mais periférica, efectuando um papel de barreira amortecedora de ruído, filtrante da poluição dos escapes dos automóveis. A zona interior, pavimentada, é um espaço aberto de estadia e de recreio. Esta placa funciona também como prolongamento espacial e visual da Praça de Teófilo Braga, de posição ortogonal. No cruzamento dos eixos centrais deste dois espaços situa-se um elemento escultórico de tema abstracto. A placa seguinte tem implantada, no seu ponto central, a fonte atrás referida *1 que articula o segundo e o TERCEIRO TROÇO, no topo S. da Avenida 22 de Dezembro. Esta placa é densamente arborizada apenas com caminhos pedonais e o chafariz ao centro. Segue-se, também pertencente ao terceiro troço, uma longa placa onde ao centro se intercalam espaços livres com três canteiros rectangulares sobrelevados, situando-se no seu início, frente ao monumento a Luísa Todi ( PT031512030106), uma estrutura cilíndrica, de estilo novecentista, em vidro e metal, que tem como finalidade a exibição de cartazes de anúncios. Localiza-se ainda entre o segundo e o terceiro canteiro um quiosque de planta hexagonal e, após este último um coreto de planta quadrangular (PT031512030070) a que se segue um espaço de esplanadas e recreio infantil. Na periferia localizam-se dois troços de estacionamento em espinha de cada lado da placa, dispostos paralelamente à via, alternado por canteiros marginais com a mesma direcção. No topo nascente desta placa e obliquamente á Avenida Luísa Todi, frente ao teatro com o mesmo nome (PT031512030071), situam-se quatro alinhamentos duplos de estacionamento em espinha, que atravessam a placa, separados por árvores de arruamento. No topo deste troço existe uma placa de planta elíptico que remata a avenida, constituindo como que uma ilha ajardinada, em cuja composição paisagística constam, numa matriz arrelvada, três canteiros semicirculares revestidos a gravilha branca. Nesta placa, enquanto que em toda a sua área encontramos arbustos vários, só existem árvores nas zonas dos canteiros, sendo estas tamareiras (Phoenix dactylifera) de grande porte e palmeiras (Washingtonia robusta) ainda de pequenas dimensões. Em toda a restante avenida encontramos árvores como: a tipuana (Tipuana tipu), a Tamareira (Phoenix dactylifera), o choupo branco (Populus alba), o choupo negro (Populus nigra), o plátano (platanus orientalis), a ameixeira brava (Prunus cerasifera), a palmeira das canárias (Phoenix canariensis), a magnólia (Magnolia grandiflora) e a olaia (Cersis siliquastrum). Estas espécies arbóreas apresentam-se seja em alinhamentos ou como exemplares isolados. Existem alguns arbustos, especialmente na periferia das placas como o loendro (Nerium oleander), o pitosporum (Pittosporum undulatum)*2.

Acessos

Avenida Luísa Todi.

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Situada numa zona plana. Embora envolvida por malha urbana, localiza-se já nas franjas da cidade, na orla ribeirinha, a cerca de 100 m. do Rio Sado. Na envolvente encontram-se vários elementos de interesse, entre os quais podemos referir o monumento a Luísa Todi (PT031512030106), o Teatro LuísaTodi (PT031512030071) e o coreto (PT031512030070), colocado na placa central ajardinada da avenida.

Descrição Complementar

A fonte, construída em granito e mármore, é animada por jogos de água dispostos de forma circular com grande repuxo central, apresentando diversas obras de arte como representações dos brasões pertencentes aos concelhos abrangidos pelo distrito e estatuária*1; Os canteiros rectangulares sobrelevados contêm normalmente três exemplares de tamareiras (Phoenix dactylifera) e, em alguns deles estão plantadas entre estas exemplares arbóreos de porte muito inferior. Adossado ao murete limítrofe destes canteiros, construído em blocos em calcário bujardado, existem ou um banco corrido ou vários lado a lado, em ripas de madeira, separados por blocos em pedra.

Utilização Inicial

Recreativa: jardim

Utilização Actual

Recreativa: jardim

Propriedade

Pública. Estatal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTOS PAISAGISTAS Albano Castelo Branco e António Viana Barreto (1966 - 1970); ARQUITECTO Manuel Salgado.

Cronologia

Séc. 19 - "As Obras de embelezamento urbanístico levaram á abertura da Avenida da Praia, paralela ao rio, hoje com o nome de Avenida Luísa Todi. A ideia de passeio público nasceu para satisfazer uma burguesia enriquecida. Adornada de edifícios de grande valor arquitectónico, a avenida é um pólo de actividades comerciais e um local onde o social é dominante, fazendo prevalecer a função original."; Maio de 1966 - Anteprojecto do ajardinamento das placas centrais pelo Arquitecto Paisagista Albano Castelo Branco; Julho de 1967 - desenvolvimento de pormenores do ajardinamento das placas centrais pelo Arquitecto Paisagista Albano Castelo Branco; 1970 - Plano de apresentação do projecto de ajardinamento das placas centrais da avenida e sua posterior execução pelo Arquitecto Paisagista Albano Castelo Branco; 2007 - Projecto de remodelação de toda a avenida pelo Arquitecto Manuel Salgado no âmbito do programa Polis *3.

Dados Técnicos

Os canteiros sobrelevados permitem um aumento da espessura de terra destinada ao crescimento de raízes, favorecendo o desenvolvimento de espécies que apresentam raízes mais profundantes como é o caso das árvores da família das palmeiras (PALMAE).

Materiais

Material vegetal - Arbóreo: (Phoenix dactylifera) de grande porte e palmeiras (Washingtonia robusta) ainda de pequeno porte. Em toda a restante avenida encontramos árvores como: a tipuana (Tipuana tipu), a Tamareira (Phoenix dactylifera), o choupo branco (Populus alba), o choupo negro (Populus nigra), o plátano (Platanus orientalis), a ameixeira brava (Prunus cerasifera), a palmeira das canárias (Phoenix canariensis), a magnólia (Magnolia grandiflora) e a olaia (Cersis siliquastrum), arbustivo: o loendro (Nerium oleander) e o pitosporum (Pittosporum undulatum); Material Inerte - Pedra: murete em calcário, metal: candeiros em ferro, quiosque e estrutura do coreto, Madeira: bancos.

Bibliografia

ANDRESEN, Teresa, Do Estádio Nacional ao Jardim Gulbenkian. Francisco Caldeira Cabral e a Primeira Geração de Arquitectos Paisagistas (1940-1970), Lisboa, 2003;Câmara Municipal de Setúbal, www.mun-setubal.pt/pt/conteudos/municipio/ambiente/espacos+verdes/Avenida+Luísa+Todi.htm, 2008 Dezembro 4; www.lasa.pt/opiniao.htm, 2008 Dezembro 4.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU/SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

2007 - Projecto de remodelação de toda a avenida pela Câmara Municipal de Setúbal, ao abrigo do Programa Polis.

Observações

A área abrangida pela Avenida é situa-se em três freguesias: Anunciada, São Julião e Santa Maria da Graça; *1 - Esta fonte é adjectivada pela Câmara Municipal de Setúbal como "Fonte Cibernética"; *2- A avenida, no total possui cerca de 700 árvores pertencentes a um elenco de 58 diferentes espécies e um total de 3240 m. de eixos arborizados; *3 - Esta avenida ajardinada foi alvo de uma intervenção recente ao abrigo do Programa Polis e do Programa integrado da Zona ribeirinha de Setúbal, este último para a substituição do mobiliário de restauração da avenida.

Autor e Data

Teresa Camara 2008

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login