Palácio Ribamar

IPA.00007856
Portugal, Lisboa, Oeiras, União das freguesias de Algés, Linda-a-Velha e Cruz Quebrada-Dafundo
 
Arquitectura residencial, setecentista. Palácio, de 2 pisos, com volumetria escalonada, de planta em V composta pela articulação de 2 corpos rectangulares de modo convergente com corpo trapezoidal, formando um pátio com a mesma planta
Número IPA Antigo: PT031110090032
 
Registo visualizado 583 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  

Descrição

Planta em V composta pela articulação de 2 corpos rectangulares de modo convergente com corpo trapezoidal, formando um pátio com a mesma planta, volumetria escalonada, a cobertura efectuada por telhados a 3 e 4 águas articulados nos ângulos. De 2 pisos e panos de muro em reboco pintado com soco, pilastras e cunhais de cantaria, animados pela abertura de vãos de verga recta com emolduramento simples de cantaria, a ritmo regular. Alçado principal a E., coincidente com o corpo de convergência - com superfície murária côncava, regista-se piso térreo avançado, animado por janelas de sacada e interrompido a eixo por módulo aposto, correspondente a escadaria com guarda em ferro forjado, de lanços curvos convergentes e conducentes ao 1º andar. Esta escadaria apresenta pano central convexo rasgado por arco abatido, que permite o acesso ao interior. O andar nobre, precedido de terraço delimitado por guarda em ferro forjada ritmada por plintos, exibe alçado tripartido pela presença de pilastras de cantaria, com 1 janela de sacada de verga recta destacada em cada um dos módulos. No alçado a S., frente composta por 3 corpos separados por pilastras, dos quais se demarca o central, com abertura de 7 janelas de peito no piso térreo encimadas, ao nível do andar nobre, por janelas de sacada de verga recta destacada servidas por varandins com guarda metálica assentes no friso de cantaria que separa os 2 pisos. Os corpos extremos, seguem a mesma solução, aqui limitada a 1 alinhamento de janelas em cada deles. No extremo O. regista-se, apenas ao nível do embasamento, um corpo avançado relativamente ao alçado posterior (a O.), correspondente a terraço ao nível do seu 1º andar. O alçado lateral N. apresenta-se em declive dado tipo de implantação no terreno; com pisos separados por friso de cantaria, exibe fachada de menor comprimento animada por janelas de peito. O edifício é superiormente rematado por cornija continuada, acima da qual se eleva platibanda em balaustrada ritmada por plintos *1.

Acessos

Alameda Hermano Patrone / Rua João Chagas, nº 1 - 3

Protecção

Enquadramento

Urbano, na zona baixa de Algés; para nascente marcam este espaço urbano o Jardim Municipal (com espécies vegetais centenárias, designadamente araucárias e dragoeiros) e o Parque Anjos.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Cultural e recreativa: edifício multiusos

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

c. 1727 - edificação do palácio pelo 8º conde de Vimioso e 2º marquês de Valença, D. Francisco de Paula de Portugal e Castro (1679 - 1749), nos terrenos do convento de São José de Ribamar, passando posteriormente para a posse dos condes do Lumiar; 1872 - aquisição do imóvel pelo conde de Cabral (que adquire igualmente o convento de São José de Ribamar), passando depois a seus herdeiros, os marqueses da Foz; 1920 - - instala-se no edifício um casino (inicialmente designado The Splendid Foz Garden e depois São José de Ribamar) que deixa de funcionar em 1928, passando depois a residência de veraneio de Hintze Ribeiro e, ainda posteriormente a instalações de uma escola secundária; c. 1940 - no edifício funciona a sede da Junta Autónoma de Obras de Hidráulica Agrícola, uma extensão do liceu de Oeiras e a escola Bartolomeu Dias; 1962 - aquisição do edifício pela Câmara Municipal de Oeiras; 1999, Abril - tem início uma campanha de obras de restauro, beneficiação e remodelação (segundo projecto da responsabilidade do município), com vista à adapatação do imóvel à instalação de serviços culturais municipais, nomeadamente a Biblioteca Municipal (desde 1980 no Palácio Anjos (v. PT031110090035), a Escola de Dança Municipal e a sede do Centro de Estudos e Difusão de Música Antiga; 2000 - decorrem obras de recuperação para a instalação de serviços culturais da Câmara, projecto orçado em 375 mil contos; 2001/07/13 - inauguração do Palácio como Centro cultural: Biblioteca Municipal, Centro de Dança de Oeiras e Centro de Estudos e de Difusão de Música Antiga.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, ferro forjado, madeira

Bibliografia

FIGUEIRA, Pe. Francisco da Silva, Os Primeiros Trabalhos Literários, Lisboa, 1865 ; PEREIRA, Esteves, RODRIGUES, Guilherme, Portugal Diccionario, Vol. I, Lisboa, 1904 ; ARCHER, Maria, COLAÇO, Branca Gonta de, Memórias da Linha de Cascais, Lisboa, 1943 ; ALVES, Maria Paula Picciochi, Algés. Metodologia para uma Planificação Arquitectónico-Urbanística do Núcleo Urbano, Lisboa, 1979 ; Apontamentos para uma História, in ABC, Mar., 1994 ; CRISPIM, M. N., LOBO, P. V., (coord. de), Retratos de Oeiras, Oeiras, 1994 ; FERNANDES, José Manuel, Imagens de Oeiras, Oeiras, 1996 ; Plano Director Municipal, Oeiras, 1996 ; ROCHA, Filomena Isabel L. C., Oeiras - O Património, A História, Oeiras, 1996 ; Palácio Ribamar, Espaço de Cultura e Arte, in Roteiro da Câmara Municipal de Oeiras, Nº 49, Abr., 2001

Documentação Gráfica

CMO: Departamento de Infraestruturas Municipais - Divisão de Estudos e Projecto

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - o acesso ao interior foi inviabilizado pelas obras em curso (ainda que em fase conclusiva).

Autor e Data

Filomena Bandeira 2000 / Teresa Vale, Maria Ferreira e Sandra Costa 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login